MENU

História

Os alunos excedentes do vestibular de Medicina da UFRGS realizaram um movimento para ingresso no curso de Medicina. O Dr. José Mariano da Rocha Filho, diretor da faculdade de Farmácia, apoiou o movimento, que por fim deu origem a Faculdade de Medicina em Santa Maria.

Inicialmente agregada à UFRGS, a faculdade santa-mariense funcionava com professores moradores de Santa Maria e também com professores da UFRGS que para cá vinham periodicamente para lecionar.

Neste período, no Hospital de Caridade Astrogildo Cezar de Azevedo (HCAA), os procedimentos cirúrgicos ocorriam (como em grande parte do Brasil de então)  com médicos se auxiliando (isto é, um operava e outro anestesiava, revezando-se), ou com uma Irmã de Caridade anestesiando sob orientação do cirurgião, ou ainda, em casos de cirurgias de maior porte com a vinda de um anestesista de Porto Alegre.

Esta situação casuística, porém, se mostrava incompatível com a especialização requerida e ensinada na academia, sobretudo porque na faculdade de medicina, com o evoluir das turmas médicas, os alunos iniciavam os estudos nas cadeiras clínicas e cirúrgicas.

Assim, o Dr. José Mariano da Rocha Filho propõe um desafio ao jovem médico santa-mariense Dr. Jorge Derly Lauda (formado em Curitiba), então chefe do Banco de Sangue do HCAA e professor de microbiologia da faculdade: o matricularia em um curso de anestesia (ainda não existiam residências médicas), em São Paulo, desde que, ao retornar, após a conclusão da especialização, fundasse um serviço de anestesia no HCAA,  que era o “hospital escola”  da Faculdade de Medicina de Santa Maria.
 
O desafio, visionário e pioneiro em uma cidade do interior, pois só havia serviço de anestesia nos grandes centros do país, foi aceito. Dessa forma, o Dr. Jorge foi para São Paulo, onde permaneceu por vários meses e, através das preciosas lições dos maiores nomes da anestesia da época, especializou-se na Santa Casa de São Paulo.
 

No início de setembro de 1957, retornou e logo no dia 06 do mesmo mês realizou a primeira anestesia da futura CLASM, em um paciente que se submeteu a uma apendicectomia, realizada pelo Dr. Salomão Seligman.

Nessa época, havia dois hospitais na cidade de Santa Maria: o HCAA e o hospital da Casa de Saúde (hospital da família ferroviária) pertencente à Cooperativa dos Empregados da Viação Férrea. Como de costume na época, o relacionamento entre os corpos clínicos dos dois hospitais era conflituoso, razão por que, imediatamente, a Casa de Saúde efetivou também o serviço especializado de anestesia.

Ao tomar conhecimento da iniciativa da Casa de Saúde, o Dr. Jorge (oriundo de família ferroviária), que mantinha relações de amizade com os diretores do hospital, se disponibilizou a estender o seu serviço de anestesia também para a Casa de Saúde.

Dessa iniciativa resultou o convite ao também jovem médico santa-mariense, Dr. Manoel Sylvio Maffi, formado em Curitiba, que fazia residência médica em anestesia em São Paulo, para retornar a Santa Maria, o que ocorreu em fins de 1958.
 

Após formar-se, 1960, o Dr. Carlos Scheleder Adames,  que tinha interesse  em anestesia desde o início do curso médico, inclusive tendo muito ajudado o Dr. Lauda e o Dr. Maffi, ainda como acadêmico, ingressa no serviço de anestesia, devido ao aumento de demanda de serviço.

O outro integrante da “equipe de anestesia” foi o Dr. Manoel Pereira Alvarez, formado na UFSM (Universidade criada em 1960), que, após a residência médica em Santos, na qual sempre se destacou no desenvolvimento acadêmico, se incorporou ao serviço.

Em meados dos anos sessenta, o Cel. PM. Dr. Izidro Agostinho Gai decide transformar a enfermaria da Brigada Militar em Hospital, criando o HBM-SM. Não havia ainda um completo sistema previdenciário e de assistência à saúde, razão por que a realização de procedimentos cirúrgicos no HBM ocorreu pela amizade pessoal com o Dr. Lauda e Dr. Gai, através do agendamento de cirurgias para os momentos de disponibilidade do serviço de anestesia.
 

O Dr. Manoel liderou, em 1968, a criação da PRIMEIRA RESIDÊNCIA MÉDICA DO INTERIOR DO ESTADO DO RS,  ofertada pela  “ equipe de anestesia”  hoje “CLASM”.

Em 1969, o Dr. Daltro Santos Corrêa (primeiro residente do hoje CET-UFSM-MEC-SBA “Dr. Manoel Pereira Alvarez”) se integra à equipe de anestesia, tendo se dedicado de maneira muito especial à “Casa de Saúde”, hospital no qual atuou por toda sua vida, principalmente no serviço de anestesia obstétrica, sobretudo por ser conhecida como a “MATERNIDADE DA CIDADE”.

O Dr. José Amilton Garcia Acosta, ao iniciar o curso médico, foi acolhido como filho pela família Souza, proprietária da Clínica SAMPAR, na qual a “equipe de anestesia” (CLASM) atuava, fato que o motivou a se interessar e se dedicar essa especialidade médica, destacando-se como preceptor da residência nos hospitais universitários, bem como na cadeira de anatomia.

Na clínica privada, dedicou-se em especial a clínica SAMPAR e depois ao Centro Médico Hospitalar que a sucedeu. O Dr. José Amilton ainda foi o primeiro anestesista médico do Hospital da Guarnição de Santa Maria (HGuSM).

A “CLASM”, por seu serviço profissional e especializado, em total harmonia com as mais avançadas tecnologias e avanços médicos, cresce cada vez mais, contando atualmente com 31 anestesiologistas. Há, ainda, seis colegas “in memorian” e quatro inativos.

A residência médica em anestesiologia, somente em 1972, passou ao controle da Universidade, com a criação do Hospital Universitário “Centro”.

Desde o início da nossa fundação, hoje com 55 anos de existência, temos como nosso foco, prestar assistência peri-operatória de qualidade em equipe, junto com outros profissionais de todas especialidades  cirúrgicas, para realização de  intervenções cirúrgicas diagnóstica ou curativa, sejam de pequena, média ou alta complexidade, utilizando equipamentos de alta tecnologia, buscando segurança, qualidade e satisfação a todos os nossos clientes.
 

Serviços prestados

Prestamos uma assistência de máxima qualidade aos pacientes que necessitam de algum procedimento anestésico.

Realizamos qualquer intervenção cirúrgica, curativa ou diagnóstica, sejam elas de baixa, média ou alta complexidade.

Nosso corpo clínico é formado pelos seguintes profissionais:

Anderson Da Costa Kohler
Andrea Cattani Zago
Antonio Fernando Correa Motta
Cláudio Guimarães Azevedo
Eduardo Dalla Rosa Necchi
Eduardo Monteiro Silva
Fabiano Bevilacqua
Fernanda Maffi
Francine Bobsin
Francisco Antonio Caldas De Araújo Góes
Frederico Valente Pagliarin
Gilberto Biazus Adames
Guilherme Barros Da Silva Santos
Jorge Ivan Brum Chami
José Hamilton Dalla Porta Acosta
José Luiz Soares Doval
José Pedro Lauda
José Roberto Righi De Oliveira
Lara De Moraes
Lisandra Bajerski
Luciane Frohlich Da Silva
Maria Rachel Silva De Almeida Bello
Mariane Frois Ourique
Neusa Maria Heinzmann Bülow
Odilon Siqueira Vianna
Paulo Roberto Gai
Paulo Roberto Sartori
Paulo Severo De Vasconcellos
Renato Dias Junior
Ricardo Coradini Abdala
Sérgio Leal Rospa
Sidney Missaglia Ethur
Thiago Do Santos Salvi